Qual a Madeira Mais Resistente a Cupim?

A madeira é um dos materiais usados na construção civil e na decoração de interiores mais antigos do mundo, no decorrer da história, ela foi pioneira no seu uso pelo homem em diversos pontos, e ao longo do tempo ele foi se aperfeiçoando e desenvolvendo, até chegar ao uso que existe nos dias de hoje, que é mais consciente e ao mesmo tempo de grau muito mais elevado que antigamente.

Esse último fator se deve ao fato da madeira ser um material versátil e cobiçado por muitos, afinal, ela consegue combinar com diversos estilos de decoração, dando sempre um charme para qualquer lugar em que é implementada, além disso, na construção civil ela é de uso fundamental.

Dessa forma, a madeira é utilizada para a construção da base e do alicerce de muitas construções, para telhados, para vigas, tudo de maneira interna. Ela também é usada em pisos, paredes, portas, janelas e deques, de maneira externa, além de ser usada para inúmeros móveis, como armários, mesas, cadeiras, camas, dentre muitos outros.

Ao ver a quantidade de usos que a madeira tem, sendo todos eles em itens duráveis, é importante que aquele material seja de qualidade, no entanto, a madeira conta com um problema natural e quase inevitável: o ataque de cupins.

O que são os Cupins?

O cupim é um inseto que pode ser encontrado tanto nos grandes centros urbanos como na zona rural, ele se alimenta principalmente da madeira, o que faz com que ele seja muito temido em todas as casas.

Existem mais de 2 mil espécies de cupins espalhados pelo mundo, e além da madeira e outros materiais com base em celulose, eles também podem atacar plantações. Apesar de existir essa grande quantidade de cupins, são os de madeira seca e os cupins subterrâneos que mais atrapalham a vida cotidiana.

Os cupins de madeira seca vivem dentro de móveis e peças de madeira em geral que possuam baixa imunidade. São colônias de porte médio, mas que causam grandes estragos até a sua detecção, que normalmente ocorre somente quando as suas fezes são descartadas para a parte de fora da madeira.

Já os cupins subterrâneos são uma praga urbana, que se alimentam tanto da madeira quanto de outros materiais que contenham celulose, eles vivem no solo, porém, o ataque ocorre em diversos itens, principalmente nas construções de alvenaria, que independe do fato de estar em contato com o solo ou não.

Quando o cupim causar uma infestação, o ideal é combatê-lo, já que ele irá danificar a madeira até fazer com que o produto fique completamente acabado. Existem disponíveis no mercado alguns venenos específicos para o cupim, além disso, também é possível tentar algumas soluções caseiras, como: vinagre, óleo de laranja e óleo de cravo. Esses produtos devem ser adicionados nos buracos que os cupins fazem na madeira, podendo aplicá-los com uma seringa. Além desses produtos também é possível usar querosene, bórax, desengripante e inseticidas.

Qual a Madeira Mais Resistente a Cupim?

Não existe uma madeira que o cupim não ataque, porém, é possível buscar as madeiras que são mais resistentes a essa infestação. Abaixo é possível ver algumas boas opções de madeira para usar na construção e decoração de qualquer ambiente:

Peroba-Rosa

Chamada também de Peroba-do-Campo ou somente de Peroba, essa é uma das madeiras que mais se destaca quando se fala sobre o ataque de pragas em geral, como por exemplo, os cupins.

Tipos de Madeiras

Tipos de Madeiras

Sua árvore é nativa da Mata Atlântica brasileira, e tem em média 20 metros de altura, com um diâmetro que varia entre 30 cm e 1,20 metros.

Essa madeira tem um acabamento nobre, com a sua coloração indo do amarelo a um rosa avermelhado, e em alguns casos possui pequenos veios mais escuros.

É uma madeira muito pesada e densa, que conta com um acabamento belíssimo quando é lixada. Sua durabilidade é impressionante, além de ela ser moderadamente fácil de ser trabalhada.

Ela é muito usada na confecção de assoalhos, decks, portas e principalmente móveis.

Sucupira

Essa madeira também é chamada de sucupira-branca, macanaíba, sebipira, dentre outros nomes.

A árvore da Sucupira é nativa da América do Sul, tendo sua altura média em 18 metros e com um diâmetro que pode chegar a 60 centímetros. Ela é uma madeira amplamente encontrada no Brasil.

A Sucupira se destaca quando se trata da resistência a fungos e pragas, como os cupins, além de ser destaque também em seu apelo estético, possuindo uma coloração marrom-escura e com alguns veios dourados, que se destacam no acabamento.

É uma madeira muito forte e densa, tendo uma trabalhos idade bem difícil, já que ela tem uma textura granulosa, que traz dificuldade na hora de aplainar, o que faz com que ela seja considerada uma das madeiras mais resistentes dentre as mostradas aqui.

Ela é usada em móveis, decks, telhados e também na parte estrutural de construções.

Imbuia

Essa madeira também é chamada de canela-imbuia, imbuia-parda, imbuia-escura, canela-broto, dentre outros.

A árvore Imbuia é de abundância no sul do Brasil, principalmente em Santa Catarina. Ela possui entre 15 e 20 metros de altura em média, e o seu tronco pode variar entre 50 cm a 150 cm de diâmetro.

Possui uma coloração que varia entre um amarelo pardo até o castanho pardo, normalmente com alguns veios escuros. Ela tem altíssima durabilidade, sendo uma das madeiras aqui citada mais resistentes a cupins, especificamente.

É uma madeira dura ao corte, mas com certa facilidade para ser trabalhada. É moderadamente pesada, com uma superfície irregular. Tem um acabamento incrível.

Além de ser usada na construção civil, como em caibros, ripas e portas, é usada para móveis luxuosos e na decoração de ambientes, como em painéis. A sua árvore é usada no paisagismo, de maneira ornamental.

Ipê

Outra árvore tipicamente brasileira, o Ipê existe em abundância em nosso país, sendo uma espécie que cresce em toda a América Latina. Essa madeira era usada pelos índios nativos brasileiros para fabricar arcos e outros itens e o seu próprio nome é de origem tupi, significando “casca grossa” ou “cascuda”.

Essa árvore tem em média 16 metros de altura e conta com um tronco que vai de 40 cm a 50 cm de diâmetro.

O Ipê é uma madeira tão densa, que muitos comparam a sua resistência com a de metais pesados, como o aço. É uma madeira extremamente forte, quase não possui veios, e possui alta resistência a umidade e a parasitas, como os cupins. É fácil de lixar, sendo de fácil acabamento.

Ele é considerado uma madeira nobre, sendo amplamente usado na estrutura de obras, mas também é empregada em móveis e outros artigos mais finos.

Cumaru

A árvore Cumaru é nativa da América do Sul e América Central, e ela pode chegar a 30 metros de altura, com o seu diâmetro tendo em média de 50 cm a 70 cm. Ela também é chamada de camaru, cambaru, champanha, cumbari, muirapagé, dentre outros nomes.

A madeira cumaru é considerada uma das melhores para se trabalhar em vários sentidos, já que é muito resistente a cupins e a outras pragas por ser difícil de ser perfurada, mas apresenta um acabamento impecável, com uma ótima durabilidade.

Sua coloração é castanho amarelado, possui uma alta densidade e é muito dura ao corte, contendo um brilho médio.

Devido a grande beleza do cumaru, ele é muito utilizado em ambientes internos, como em pisos, bancadas, painéis, sendo um acabamento de alta qualidade.

Jatobá

O jatobá também é chamado de Jutaí, Jatioba, Jataúba, jutaí-bravo, dentre outros nomes. É uma árvore nativa das florestas tropicais, principalmente na América Latina. Suas flores e frutos são amplamente utilizadas pelas culturas indígenas.

A árvore do jatobá pode chegar a ter 40 metros de altura e ter até 2 metros de diâmetro, sendo uma árvore de grande porte. Sua casca tem uma aparência rústica muito cobiçada para a decoração de ambientes.

É uma madeira nobre, muito procurada devido ao seu belo acabamento, sua excelente durabilidade e também a sua resistência ao ataque de cupins e outras pragas. Tem uma coloração que vai do vermelho alaranjado até um marrom avermelhado.

O Jatobá é usado para fachadas, esquadrias, decks, móveis e até mesmo na construção naval.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Construção

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *