Preço do Cimento Queimado

Construir a casa é o sonho de muitas pessoas, que visam retirar seus nomes do aluguel. Isso porque o Brasil é um dos países onde os preços de aluguel de casas são elevados, principalmente, nos grandes centros e metrópoles. Um apartamento simples de 2 quartos, por exemplo, pode ter valores bastante diferenciados se forem vendidos na cidade de São Paulo ou em uma cidade do interior, como Delfim Moreira, cidadezinha mineira incrustada na Serra da Mantiqueira.

De uns tempos para cá, a arquitetura passou a contar muito para a construção de uma casa, já que, com um projeto bem executado, é possível aproveitar os espaços do terreno, aumentando, assim, o espaço interno dos cômodos, sem ultrapassar as barreiras do terreno. No entanto, o serviço de arquiteto costuma ser um pouco mais caro, mas nada que um planejamento no orçamento não resolva os problemas.

E, com o passar dos tempos, novas técnicas vão surgindo com o intuito de se deixar a construção de prédios e residências mais facilitada, barata e, principalmente, sustentável, para que o planeta não venha a sofrer, no futuro, consequências ambientais provocadas pelo uso de materiais nocivos.

No nosso artigo de hoje, iremos falar um pouco sobre o cimento queimado, que é uma técnica que vem revolucionando o modo de se fazer acabamento nos cômodos da casa. Além disso, iremos dar algumas informações bastante interessantes sobre o tema. Vamos lá?

O Que é a Técnica do Cimento Queimado?

A técnica do cimento queimado consiste na mistura entre cimento e areia, que é utilizado como acabamento em grane parte das casas brasileiras. Embora fossem considerados antiquados e bastante aquém das tendências de decoração, os arquitetos e especializados em decoração passaram a utilizar esse componente em suas construções, combinando esse estilo com refinamento de móveis e outros tipos de acabamentos. Um exemplo da aplicação do cimento queimado é em casas rurais, no interior dos estados. Por lá, a coloração do acabamento costuma ser da cor vermelha, no qual os moradores costumam chamar de “vermelhão”. Pode-se perceber, também, que esse é o mesmo material utilizado para a confecção do fogão á lenha dessas casas.

Portanto, o cimento queimado nada mais é do que uma mistura de água, cimento e área, que dá origem a uma espécie de argamassa. Se ela apresentar a superfície muito lisa, recomenda-se que um chapisco seja realizado com o propósito de aumentar a aderência do cimento queimado. Depois que tal argamassa é colocada, sugere-se que seja feito o nivelamento do local o mais rápido e preciso possível, sendo que o uso de uma régua metálica se faz necessário para conseguir o efeito desejado. É preciso lembrar que, se o processo se encerrar nessa parte, será obtido o famoso e conhecido “cimentado”, que faz parte da maioria das calçadas das ruas brasileiras, além do revestimento de quintais e outros lugares.

Apesar do nome, não é utilizado nenhuma espécie de fogo ou algo do tipo para dar o efeito de cimento queimado.  Para que esse efeito seja conseguido, o processo consiste em jogar pó de cimento em cima da argamassa ainda mole e úmida. Depois disso, é necessário desempenar a superfície da argamassa com uma desempenadeira de aço, que, além de ajudar a espalhar o pó de cimento sobre a argamassa, ainda deixará todo o conjunto liso e com bastante nivelamento.

Uma das vantagens do uso do cimento queimado é a sua alta durabilidade aliada com a resistência, pois pode ser utilizado em, praticamente, toda a casa, sem sofrer as consequências tanto do ambiente interno quanto do ambiente externo. Tem uma relação bastante boa com a água, além de ser fácil criar nela desníveis que ajudem no escoamento do líquido. No entanto, a desvantagem é que, quando molhado, ele tende a ficar muito liso, correndo o risco de acidentes, principalmente se a casa tiver a presença de idosos e crianças.  Em quartos, o cimento queimado não é recomendado, pois, no inverno, ele tende a ficar muito frio. Uma vantagem é que, no calor, o quarto pode ficar mais fresco por conta da presença desse cimento. Nos banheiros, em especial, na região do banho, também não é recomendado, pois os produtos do cimento queimado podem reagir com xampu, sabonetes e outros produtos químicos, fazendo com que sua durabilidade seja afetada.

Em contrapartida, a limpeza do cimento queimado é bem mais simples do que outros acabamentos, bastando apenas sabão líquido e água.  Apesar de resistente à abrasão, um dos problemas que atingem o cimento queimado (e os locais cimentados) são as trincas. Diferentemente de outros acabamentos, o cimento queimado é monolítico, isso é, um piso único e com grande dimensão. Durante o dia, o material sofre dilatação, contraindo e dilatando, o que origina as trincas. Tais defeitos podem ser pequenos – passando a ser considerado estético, já que isso faz parte da natureza do material- a até trincas maiores e extensas, que podem comprometer a qualidade do piso.

Para que o cimento queimado deixe a aparência e resistência desejada, é necessário que o profissional que for realizar a aplicação tenha boas referências e seja realmente caprichoso no serviço prestado. Procure pesquisar o histórico do profissional, tentando, inclusive, visitar algumas obras feitas por ele, para poder identificar se o trabalho foi executado de forma satisfatória, se não há a incidência de trincas que possam estragar o trabalho, entre muitas outras questões. Procure certificar com ele sobre a colocação correta das juntas de dilatação, que podem ser de plástico ou de ferro.

O Aspecto Final do Cimento Queimado

O aspecto que é deixado após a conclusão da obra é de um ambiente sem um padrão como é deixado pelos pisos e azulejos, com uma aparência única em cada aplicação, o que deixa muitas pessoas animadas.  Pequenas linhas de divisão entre eles ajudam na dilatação e evitam problemas no piso. As cores propiciadas pelo cimento queimado deixam os ambientes, visualmente falando, muito maiores.

Para aumentar a durabilidade, é indicado que aditivos sejam aplicados periodicamente no cimento queimado, com intuito de deixar mais novo o piso, sem ele sofrer as consequências do ambiente, apesar de ser bastante resistente nesse quesito.


Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Construção

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *