Arquitetura Chinesa

Mesmo quem não é apaixonado por arquitetura se encanta pelo estilo arquitetônico chinês que faz uma combinação única de detalhes complexos com a simplicidade da escolha dos materiais com destaque para o uso de madeira para a construção das suas casas. Há todo um conjunto de leveza que faz dessa arquitetura uma das mais belas do planeta e com um arcabouço de milhares de anos, continue lendo e saiba mais.

Um Apanhado Geral Sobre a Arquitetura Chinesa

O estilo arquitetônico chinês é único e apresenta grande preocupação com a funcionalidade dos espaços. As construções nos transmitem a ideia de sintonia e harmonia com a natureza. Quem visita a China pela primeira vez costuma concentrar a sua investigação arquitetônica nos templos que além do impacto visual também oferecem a possibilidade de mergulhar na história local.

Um dos templos mais conhecidos do país é o Templo do Céu que está situado na região sul de Beijing. A construção do templo teve início no ano de 1420 com o objetivo de ser um espaço para a realização de cerimônias de imperadores. Atualmente, é considerado o espaço supremo do cosmos sendo que seu conjunto arquitetônico passou a ser local de orações e da realização de ofertas ao céu. O conceito utilizado para a composição arquitetônica desse espaço se caracteriza por buscar a junção entre celeste e terrestre, motivo pelo qual os telhados tem formato curvo ascendente.

Algo que se pode notar nos telhados dos templos e de muitas construções chinesas é a ênfase a eixo horizontal numa tentativa de conquistar simetria. Os detalhes que podem ser vistos desde a ornamentação de grandes construções até a estamparia de peças como vasos e cerâmicas demonstram que os chineses tem zelo em tudo o que fazem nos mínimos detalhes. Os desenhos são feitos com maestria e além de enfeitar ajudam a dizer a que a peça ou construção veio. Há a exaltação da profundidade do universo assim como a busca pela perfeição.

Desvendando a Arquitetura Chinesa

Características Gerais

Ênfase na Horizontalidade

Na arquitetura chinesa a ênfase ficava por conta do eixo horizontal em especial quando se tratava da construção de uma pesada plataforma. O telhado das construções chinesas sempre transmite a sensação de que flutua sobre a mesma com suas pontas viradas para cima. Podemos dizer que os chineses enfatizam o crescimento horizontal em detrimento ao vertical, ao contrário do que fazem os ocidentais.

Os tetos costumam ser relativamente baixos contrastando com as imensas larguras dos edifícios chineses. Vale o adendo de que essa característica não se aplica aos pagodes (torre que possui várias beiradas) que tem grande força nessa arquitetura, mas que estão mais presentes em edifícios com finalidade religiosa.

Simetria Bilateral nos Edifícios

Simetria Bilateral nos Edifícios Chineses

Simetria Bilateral nos Edifícios Chineses

Independente de estarmos diante de um gigantesco complexo palaciano ou de casas humildes é normal que haja grande preocupação com projetos que tenham e mantenham a simetria bilateral. No entanto, a preocupação com a simetria não tende a se espalhar pelos fabulosos jardins chineses que tem como objetivo promover um fluxo especial.

Espaços Abertos Dentro das Propriedades

Geralmente na arquitetura ocidental os edifícios são cercados por jardins ou outros tipos de espaços abertos na propriedade, para os chineses é um pouco diferente. As construções costumam ocupar todo o espaço tendo incluído pátios abertos ou o chamado poço do céu. Os pátios abertos podem ser vistos em diferentes variações arquitetônicas chinesas com maior destaque para o Siheyuan em que se tem um espaço vazio cercado por edifícios que tem ligação entre si por meio de varandas. Poço do céu é o tipo de construção em que o espaço formado entre os telhados dos edifícios que circundam um espaço permitem observar o céu.

Elementos e Detalhes da Arquitetura Chinesa

Pailou – Arcada

Pailou - Arcada

Pailou – Arcada

Trata-se de um arco decorativo que pode ser usado para finalidades decorativas ou de memorial. Esse arco pode ser feito de tijolos, pedras ou madeira podendo apesentar alguma inscrição ou não no seu centro, quando há mensagem ela se refere a conceitos de princípios, moral ou ainda enaltece o governo. Pode ser utilizado em templos, sedes do governo, mausoléus, parques e entradas de ruas.

Mending – a Porta De Botões

Mending - a Porta De Botões

Mending – a Porta De Botões

Um dos ‘detalhes’ da arquitetura chinesa que mais salta aos olhos de quem está indo pela primeira vez ao país certamente são as grandes portas vermelhas com fileiras de pregos. Em inglês essas portas são conhecidas como ‘door studs’ e tinham como finalidade serem usadas nas entradas de palácios, mansões e templos para enfatizar o status dentro da hierarquia feudal.

Geralmente essas portas na Cidade Proibida em Beijing possuem 9 x 9 fileiras que resultam num total de 81 botões, pois existe grande valorização do número 9 que é uma referência a supremacia do imperador.

Pushou – A Base Ornamentada Do Batedor

Pushou

Pushou

Se olhar com atenção para as portas mais antigas da China será possível perceber que os batedores possuem ornamentações, em muitos casos na forma de cabeças de animais cheias de detalhes. Essa aldrava era usada para bater na porta e quanto mais trabalhada era indicava uma família de uma posição social mais elevada. Normalmente os animais escolhidos para compor esse detalhe eram aqueles considerados mágicos pela cultura chinesa como serpentes, leões e tigres.

Jingdong – Molduras Cênicas

Jingdong

Jingdong

É mais comum encontrar jingdong em parques ou jardins privativos, trata-se de um tipo de abertura em paredes que criam molduras para que o observador possa olhar através das mesmas. Quando são janelas recebem o nome de Jingchuan e devem ser pensadas em muros ou corredores como uma maneira de oferecer ao observador a vista de algum ponto estratégico e belo do jardim ou parque.

Se essas molduras cênicas são portas recebem o nome de Jingmen devendo estar uma de cada lado lembrando um portão. A ideia deve ser criar um cenário harmonioso em que se esteja em contato com a natureza com a criação de uma sensação mágica.

Lang – Longos Corredores

Lang

Lang

Sabe aqueles longos e cobertos corredores que são vistos geralmente dentro de jardins chineses? Esses corredores são chamados de Lang e possuem cobertura de estrutura de madeira com ladeamento por bancos nas laterais ou grades mais baixas.

Os corredores Lang são divididos em algumas categorias com destaque para: Youlang (que faz a ligação entre dois ou mais edifícios), Shuilang (que está localizado a beira de lagos), Hualang (aqueles que estão cercados por vasos de flores), Qulang (que é estruturado em zigue-zague) e Huilang (que é construído em curvas). Uma dica para quem está viajando a turismo é que o Lang mais famoso é do Palácio de Verão de Beijing.

Liuliwa – Telhas Esmaltadas com Cores Diferentes

As telhas chamadas de Liuliwa eram utilizadas na China Antiga em palácios imperiais, residências de nobres e oficiais além de mansões. Podiam ser encontradas nas cores: amarelo, azul, preto e verde. A escolha da cor tinha como objetivo demonstrar a que camada social o indivíduo fazia parte.

Telhas amarelas eram utilizadas exclusivamente nas construções imperiais tendo como únicas exceções templos que eram construídos em homenagem a um importante general do período dos Três Reinos chamado Guan Yu e a Confúcio. As telhas de cor verde eram destinadas as casas dos oficiais enquanto que as pretas eam utilizadas nas casas de pessoas comuns.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Notícias

Artigos Relacionados


Artigos populares

Comentários

  • Gostaria que falassem sobre a influência da estética do passado chinês na contemporaneidade. É um ótimo tema.

    Priscila Carvalho 25 de setembro de 2013 17:57

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *