Como Reduzir Ruídos em Condomínios

Em 2013, foram criadas novas normas que deveriam ser seguidas por novas construções, edifícios residenciais. A regra de 19 de julho chamada de norma técnica NBR 15.575 da Associação Brasileira de Normas Técnicas. Como mais uma tentativa de reduzir os problemas entre vizinhos de apartamentos.

Foram várias mudanças anunciadas de uma só vez e em relação aos ruídos em condomínios ficou estabelecido que o “desempenho acústico dos cômodos deveria ser melhorado de forma significante”. Na prática significa usar materiais de qualidade mais elevada que ajudem a reduzir os ruídos, como revestimentos, alvenaria e pisos. E também a indicação de vedações externas e internas para ajudar a reduzir os ruídos de um apartamento chegando no outro.

O que deve ser aplicado imediatamente nos condomínios novos deverá levar um tempo para ser implantado nos prédios antigos. Sendo assim, o jeito será a aprender a conviver com os ruídos que muitas vezes acabam com a boa relação entre vizinhos.

Segundo especialistas do mercado imobiliário o “problema ruído” é um dos problemas mais comuns que os síndicos enfrentam nos condomínios. Em consequência, quando o assunto ultrapassa os limites e se trata de um imóvel alugado, o proprietário acaba sendo acionado. É o ponto alto da “guerra” entre vizinhos e com a difícil missão do proprietário de tentar contornar a situação porque lhe é cobrado porque alugou o apartamento para determinada pessoa. Como se isso fosse possível ser questionado pelos vizinhos.

O Problema Abordado Pelo Código Civil

É claro que ninguém fica lendo o Código Civil como se fosse uma Bíblia, mas em algumas situações a publicação poderá esclarecer algumas dúvidas. Como por exemplo, lendo o artigo 1.336 que diz em relação ao comportamento dos moradores “não é permitido o uso das dependências do condomínio de forma que prejudique o sossego, a segurança, a salubridade e os bons costumes”.

Um outro detalhe interessante em relação aos ruídos que provavelmente pouca gente sabe é que existe uma lei que diz se o proprietário do apartamento perceber que  a construção foi levantada de modo que o ruído passa mais fácil, poderá acioná-lo na Justiça.

Com a nova lei implantada no ano de 2013 a esperança de futuros compradores e de pessoas do mercado imobiliário é que cheguem inovações para as novas construções. E neste caso, a redução dos ruídos passe a ser uma prioridade já que se trata de um problema constante.

Para saber se uma construção foi feita seguindo as novas regras, o síndico poderá pedir que um engenheiro credenciado analise as partes comuns e as estruturas. Porém, vale ressaltar que a boa educação ainda será fundamental para o bom convívio.

Dicas Para Diminuir os Ruídos e não Ter Problemas com o Vizinho

Se o prédio é antigo ou se você percebeu que mesmo sendo uma construção nova o ruído incomoda, adote algumas “medidas” para não ter problemas com os vizinhos. Veja!

  • Para não fazer aquele barulho quando puxar a cadeira ou mesa, use embaixo dos pés de cada uma delas um pedaço de feltro.
  • Instrumentos musicais só devem ser usados em horários permitidos pelo o que foi acordado em reunião de condomínio, respeite a lei do silêncio (até falando, reduza o som da voz depois das 22), não ouça música com volume alto em momento nenhum (pode ser que o seu vizinho não tenha o mesmo gosto musical que você).
  • Corredor e área comum não são lugares para que as crianças corram ou brinquem. 
  • Essa é para as mulheres que amam salto alto. O barulho do toque toque do sapato sobre as cabeças é de tirar qualquer um do sério. Deixe o sapato na porta e somente o calce quando estiver saindo.
  • Tapetes e carpetes abafam o som.
  • Acima de tudo respeite todas as regras que foram determinadas na reunião de condomínio.
  • Quando estiver arrumando a cozinha por exemplo, pegue com cuidados os utensílios, cada coisa que cai no chão da sua casa faz muito mais barulho no apartamento debaixo.
  • Varanda não é lugar para falar alto hora de nenhum do dia e nem falar alto conversando no celular.
  • Não bata portas e janelas.
  • As crianças devem usar as áreas reservadas a elas somente nos horários que ficaram acordados na Convenção Condominial.
  • Antes de ir até ao síndico fazer reclamação, tente conversar com o seu vizinho, sem ofensas, claro. 

O que Fazer Quando o Condomínio é Muito Barulhento

  1. Não basta o primeiro barulho para sair correndo e reclamar com o síndico. Caso você pretenda que algo seja efetivamente feito, comece anotando os problemas e os horários, o tempo que foi incomodado com o barulho e que tipo foi, briga de casal, criança correndo pela casa, música alta ou outro.
  2. O tapete ajuda lá e cá. Ele tanto faz com que você faça menos barulho na “cabeça” do vizinho, como absorver o barulho que vem dos outros apartamentos. Até a música alta ele ajuda a reduzir o som.
  3. Procure relaxar criando outros sons na sua casa, como por exemplo, ouvindo música ou com aparelhos que imitem o som da água corrente. Não tente colocar uma música mais alta do que a do seu vizinho para não acabar enlouquecendo.
  4. Os tampões de ouvido podem ser uma solução dramática. Quando não tiver mais jeito e você não quiser discutir com o vizinho vá até uma farmácia e compre um par.
  5. Você não é obrigado a conviver com o barulho feito pelo seu vizinho e uma solução amigável é sempre uma boa forma de resolver o problema. Então, bate na porta dele, mas não “armado” pronto para  briga, explique as razões pelas quais o som está incomodando quem vive na sua casa. Use de educação e de firmeza.
  6. Não só o síndico deve ser acionado, no caso de grandes condomínios o problema também pode ser levado para a associação de moradores. E eles é que devem tomar as medidas em relação ao problema. Explique os problemas sem usar a emoção, aponte os pontos negativos e como o barulho está interferindo na sua vida e da sua família. É bom ter uma testemunha para corroborar com a sua reclamação.

 

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Condomínio

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *